Conteudo Skip Navigation Links
Skip Navigation Links
NOTÍCIAS
31-07-2017
Serviço de Neurologia
Nova neurologista e neuropsicólogo reforçam serviço
Isabel Ambrósio, diretora do Serviço de Neurologia.

Nova neurologista e neuropsicólogo reforçam serviço

Com o reforço de uma nova especialista no início de 2017 e a contração de um neuropsicólogo, o Serviço de Neurologia do CHMT abrange agora as três unidades hospitalares, prestando consultas em Torres Novas, Tomar e Abrantes.

O Serviço de Neurologia é um serviço, sobretudo, de consulta. “A resposta à população, na área da Neurologia, é no âmbito da consulta. Fazer diagnósticos, tentar orientar, tentar ajudar os médicos de família nos diferentes diagnósticos e diferentes patologias. Este é, essencialmente o nosso trabalho”, descreve Isabel Ambrósio, diretora do Serviço de Neurologia do Centro Hospitalar do Médio Tejo.

Para além desta faceta, o Serviço de Neurologia presta apoio aos restantes serviços do CHMT, incluindo o Serviço de Urgência, com a presença da nova especialista, Ana Luísa Massano que está mais em Abrantes.

Este apoio à urgência só foi possível concretizar com a entrada desta nova Neurologia Ana Luísa Massano, sendo que a sua admissão foi bastante valorizada pelo Conselho de Administração, num esforço conjunto com a Diretora do Serviço.

O Conselho de Administração continua disponível para uma eventual nova contratação de um especialista em Neurologia e caso surja oportunidade.

Isabel Ambrósio está a maior parte do tempo na Unidade de Torres Novas, e é também a diretora do Serviço de Neurologia que passou semanalmente a fazer consulta na Unidade Hospitalar de Tomar.

2017 está a ser um ano bom para o Serviço de Neurologia. Depois da entrada da nova neurologista em Janeiro, no início do mês de Julho entrou para os quadros do CHMT um neuropsicólogo.

Pedro Borges já estava no CHMT, como prestador de serviços, mas o atual Conselho de administração propôs-lhe que ingressasse nos quadros de forma a consolidar o seu desempenho clínico e dar assim, maior solidez à atividade do Serviço de Neurologia. A entrada no quadro possibilitou mais horas ao serviço e um maior apoio, nomeadamente, na consulta de memória.

No ano de 2016, Isabel Ambrósio que era a única Neurologista no CHMT viu, em consulta, mais de 1900 doentes.

A predominância no Serviço de Neurologista vai para as doenças de memória, com grande incidência para os diferentes tipos de demência. Depois a doença de movimento, doença de Parkinson, e por fim a Esclerose Múltipla que de facto tem uma incidência grande no Médio Tejo.

A faixa etária destes doentes depende muito das patologias. Segundo a diretora do Serviço “as demências variam entre os 50 e os 98. O Parkinson a prevalência é nas idades mais elevadas e depois temos grupos etários mais novos, como a esclerose múltipla em que temos a partir do 20, 30 anos”.

As patologias da memória, no caso as demências, têm sido a patologia mais frequente do Serviço de Neurologia do Centro Hospitalar do Médio Tejo.

E é aqui que a contratação do Neuropsicólogo se torna uma mais-valia. “Na demência quando estamos a fazer a avaliação dos doentes, para ver se realmente tem perturbação de memória ou não, o que nos acontece é que às vezes temos dúvidas ou precisamos de clarificar que tipo de demência é. E é aqui que pedimos uma avaliação ao Pedro. A avaliação é feita aplicando uma série de testes específicos e que caracterizam mais estes défices da memória”, explica Isabel Ambrósio, acrescentando que “o trabalho feito pelo Neuropsicólogo tem sido uma grande ajuda pois conseguimos caracterizar, e dessa forma decidir em conjunto a melhor terapêutica, medicar, acompanhar ou outra decisão”.

Outra da mais-valia do Neuropsicólogo é a possibilidade de se realizar, no Centro Hospitalar do Médio Tejo, treino cognitivo. “Já tivemos antes aquilo que chamamos de treino cognitivo, uma vez que o Pedro, num período mais inicial, conseguia horário para fazer este treino cognitivo. Queremos ver agora, que está com mais horário, se retoma esta atividade pois entrou para os quadros e tem as 40 horas semanais,” esclarece Isabel Ambrósio.

O Treino Cognitivo é, como explica Pedro Borges, uma série de “exercícios realizados com os doentes de défices cognitivos ligeiros, défices de memória moderados, com quem vale a pena ainda fazer estas terapias e que apresentam muito bons resultados. Para a realização destes exercícios de treino cognitivo vamos propor a atualização de software do equipamento, que já existe no Centro Hospitalar, para que possamos retomar esta atividade”.

Este reforço do Serviço de Neurologia resulta, segundo a diretora do Serviço, do apoio que tem sentido “deste Conselho de Administração e Direção Clínica que estão empenhados em dotar e acompanhar, dentro do possível, as melhorias que temos solicitado”.

Isabel Ambrósio, diretora do Serviço está no Centro Hospitalar do Médio Tejo há 13 anos. “Vesti a camisola do Centro Hospitalar, em 2003. Apesar de não ser fácil, pois vivo em Lisboa, a minha família está em Lisboa, e venho trabalhar aqui todos os dias, venho sempre com muito gosto”, afirma a diretora do Serviço.

Governo de Portugal, Ministério da Saúde